14 de agosto de 2008

O Galo

Já cantou duas vezes.
Já cantou.
O galo não quer galinha,
mas ficou
com aquele peteiro a rebuscar
no silêncio da noite
o alvorar.

Aguarda tempo aberto,
som de mar,
tempos de estio velho
por chegar.

Três vezes ainda
vai cantar.
Eu acarinho alvas,
a aguardar.

2 comentários:

Oscar disse...

"Galo, galo, que fazes no saguão do mundo", já escrevia um poeta na minha terra, e escreve agora uma poeta do lado de cá, do Atlântico. Maqs o galo, esse canta sempre do mesmo modo, não, e !assim vai tecendo a aurora"...

Iolanda Aldrei disse...

Pois sim,é o mesmo canto e a mesma espera.Nada há que nao houver, temos apenas a oportunidade de olhar e dizer... e sonhar auroras!