19 de dezembro de 2008

Apenas...


Foto A.B.
Resplandeces como uma deidade, um fazedor de homens sobre mim, e o tempo para.
Então fico a saber que temos a força conjunta da criação e amo-te nos limites que não podem ser traçados, nas definições que ainda não nos foram reveladas.
Então fico a saber que a tua semente tem mais vida que a vida própria, e gero poemas de uma noite para que nasçam no amanhecer, entre o parto calado do teu sono, quando o meu ventre é de línguas; no amanhecer, sim, na tua companha ausente, desenhados no abraço das nossa peles, nascem os teus filhos de mim, enfiados no amor e na palavra.

4 comentários:

soantes disse...

alma-mater

Iolanda Aldrei disse...

alma...
Um abraço, meu amigo.

PAUL CONSTANTINIDES disse...

iolanda
adoro sempre q venho aqui. amo as suas palavras poeticas.
este daqui caiu tao bem em mim.
gracias
e adoravel a foto q fizeram de ti escrevendo.
abs
Paul

Iolanda Aldrei disse...

A foto é da autoria do meu filho, olhar de filho! O texto faz parte do livro Memorial, mas sempre é o Paul, a ler, a trazer a sua música, as suas imagens cinematográficas... a sua sensibilidade que completa o significado e o amplifica.
Grande abraço