26 de fevereiro de 2008

Sabor a luas no céu da boca


Sabor a luas no céu da boca,
no tempo, na paz e na palavra,
no éter sensitivo, na esperança
e na pele longa dalgum rio.
Astro reflectido das correntes puras,
água de luz no leito dos olhares,
beijo de terra no fundo das cantigas
que dize o som do líquido desejo
entre pintas de ar e som de jazz,
com a língua do amor na caverna do mundo.

1 comentário:

e disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.