28 de maio de 2009

Para Laura, Para Néstor, na Primavera dos guardachuvas

As palavras vivem para além das noites tristes,
de pedra, minha amiga, meu amigo, sob a esperança,
com o canto do galo o caminho era justo
e liberdade mora em almas solidárias

2 comentários:

soantes disse...

Duas grandes verdades ditas de forma bela. É simples e é tudo.

Iolanda Aldrei disse...

Meu querido Francisco... As coisas andam complexas nesta Galiza, embora sejam simples. Tempos cinzentos chovem, mas o sol paira além das nuvens. Obrigada pela tua presença. Um forte abraço